Ásana

Posições Psicobiofísicas

Uma das doze Disciplinas Técnicas do YOGA.

A Disciplina Técnica mais fácil de mostrar é também a mais conhecida pela sua espectacularidade, domínio, e beleza física, tendo apesar disso uma grande componente mental. No Ásana (lê-se Ássana, pois não existe o som Z no Samskrta / Sânscrito, a antiquíssima língua Hindo-Europeia, base no YOGA) a paragem, na fase de máxima capacidade pessoal, consegue um desenvolvimento exacerbado, uma concentração excepcional e uma evolução pessoal poderosa, própria do YOGA; o movimento que se segue à paragem deve ser complementar desta e integralmente harmonioso; em ambos dominando completamente a Gravidade. No Ásana aprende-se a relaxar em tensão, que é um segredo do Yoga. O Praticante é o responsável máximo por escutar o seu corpo e nunca se lesionar.

O ÁSANA, NO YOGA, VISA:

1. O fortalecimento muscular, o seu alongamento e elasticidade, bem como dos tendões;

2. O fortalecimento ósseo, funcionalidade e flexibilidade articular e dos ligamentos;

3. O trabalho e equilíbrio endócrino / hormonal, neurológico / neurovegetativo, e a saúde psicobiofísica;

4. Um intenso estímulo cerebral, o domínio do corpo pela mente, e a intensificação da importante arqui relação cérebro/corpo (e mão), e principalmente a exploração da relação (inversa) corpo / cérebro;

5. O controlo da 1.ª Força Universal, a Gravítica, estabilidade, domínio do movimento, e da Harmonia;

6. A actuação sobre órgãos, tecidos, aparelho circulatório sanguíneo e linfático, aparelho digestivo, excretor, selector e sexual;

7. O vigor e resistência física; a autoconfiança;

8. A capacidade de suportar situações difíceis de forma lúcida, rigorosa e sem stress, e de enfrentar situações normais de forma arguta e inteligente;

9. Uma fortíssima Irrigação cerebral e a super lucidez;

10. Reforço da Vontade, convívio com Tapa – o calor e a Tempera da Auto-Exigência; treino da Atenção e da Concentração Contínua por largos períodos de tempo;

11. A abertura, desobstrução, alargamento e fortalecimento das Nádí (filamentos condutores da Energia do corpo humano) a eliminação das toxinas, e o desenvolvimento dos Chakra (lê-se tchakra – Centros da Energia e cruzamentos das Nádí);

12. A preparação para trabalho Energético e vibratório intenso, direccionado principalmente para a coluna vertebral, espinal medula e canal do epêndimo – Sushumna Nádí, predispondo para a passagem da Super Energia Kundaliní (Energia Residual do ADN), a qual depois de activada e bem conduzida, proporciona em Dhyána – a Verdadeira Meditação (outra das Doze Disciplinas Técnicas do YOGA), o Samádhi (Iluminação) – Suprema Consciência Intelectiva humano-Cósmica.